Romance do Peão Guerreiro

José Machado Leal

O rancho era um ninho de paz
perdido no verde do pampa.
Terêncio era um campeiro, um taura
mais guapo que tronco de angico,
que vento minuano varrendo coxilhas,
nas noites de invernia.

Nada na vida lhe botava medo,
sua crença em Deus o fazia grande,
saia lindo de qualquer enredo,
só não sabia, com o sabe o João Barreiro,
que o melhor de tudo era o calor do rancho.

Por isso, quando a quietude dos trevos
agitou-se com gritos de guerra,
guasqueando, no vento,
o pala do moço campeiro
sumiu pela estrada do poente.

Por todos os cantos, cantos de guerra,
tormentas de cascos, trompaços de potros
e o batismo de fogo e sangue
que enrijece um vlente.
Terêncio um campeiro, um taura!

Mas a carga das lanças trovejando nos campos,
borrava de sangue o branco dos lenços.
Ferido e sangrando no orgulho e na alma,
o moço guerreiro dá-lhe rédeas ao flete
e retorna pro pago, pra prenda, pro piá,
com aquele mesmo jeito simples
que o fez patrão de si mesmo...
- Bueno, sem ser covarde,
valente, sem ser maleva!

Bem diz o ditado... Em rancho de pobre
A vontade dos outros é a vontade da gente!

E, antes mesmo que esvaziasse
a primeira chaleira de mate,
esbarra no oitão do rancho
uma patrulha com voz de prisão...
- Desertor, covarde!

Terêncio pisa miúdo, mas não se enreda,
é cuera que não cabresteia,
mania antiga de trançar com gosto e jeito
os tentos da honra, para que, depois,
ninguém diga que ele fora covarde.

De novo, a adaga manheira
rebilha na mão de Terêncio.
O terreiro do rancho um campo de guerra,
tinidos de aço, fazendo cadência,
barbarizam a destreza dos machos.

Depois, a tormenta que cessa
e os homens que foram valentes,
agora, tintos de sangue, estendidos na terra,
jã não vivem para os sonhos bonitos
que um dia sonharam.

Somente o menino campeiro,
olhos molhados, tristonhos,
vai guardando, na memória,
os conselhos que o pai deixou...

- Meu filho, não te esqueças nunca,
que palavra de gaúcho é que nem reza sagrada
e, um fio de bigode, vale mais que juramento!
Isso, eu te deixo como herança
e, para guardá-la, se preciso for,
eu estarei em ti, para pelear de novo!

Desde então, na Semana Farroupilha,
netos, bisnetos, tetranetos desses homens
se perfilam para reverenciá-los.
Eles vestem bombachas, montam a cavalo,
festejam e cantam...

- Como aurora precursora do farol da divindade,
foi o "Vinte de Setembro" o precursor da liberdade!

Exibições: 3

Comentar

Você precisa ser um membro de Radiosul.Net para adicionar comentários!

Entrar em Radiosul.Net

Apoiadores

© 2018   Criado por radiosulnet.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço